Seguidores

terça-feira, 11 de setembro de 2018

O Espiritismo responde - questão 1

Fonte da imagem: google.

No momento em que o Ministro da Saúde de nosso país propõe abertamente a liberação do aborto, alguém nos pergunta: Como devemos encarar essa prática? 

- O aborto é, segundo o Espiritismo, um doloroso crime. Arrancar uma criança ao seio materno é infanticídio confesso. Uma mãe ou quem quer que seja cometerá crime sempre que tirar a vida a uma criança antes do seu nascimento, porque impede ao reencarnante passar pelas provas a que serviria de instrumento o corpo que se estava formando. Podem-se destacar três erros no procedimento dessas mães. 

Primeiro: Impedir que um Espírito reencarne e, por conseguinte, progrida. 

Segundo: Recusar a chegada de um filho que talvez represente o instrumento que Deus tenha dado aos pais para ajudá-los na jornada evolutiva, através dos cuidados, das renúncias, das preocupações e trabalhos que teriam. 

Terceiro: Transgredir o mandamento divino “Não matarás”, sem dar à vítima a menor chance de defesa. O aborto delituoso é, como se vê, a negação do amor. Esmagar uma vida que desponta, plena de esperança; impedir a alma de reingressar no mundo corpóreo; negar ao Espírito o ensejo do reajuste representa, em qualquer lugar, situação e tempo, uma prática inominável, de prolongadas e dolorosas consequências para o psiquismo humano. Em muitos países, o aborto sem causa justa – e por causa justa devemos considerar tão-somente o chamado aborto terapêutico, que objetiva salvar a vida da gestante – encontra amparo na lei, mas, de acordo com a Doutrina Espírita, ele jamais encontrará justificativa perante Deus, a não ser em casos especialíssimos, como o citado, em que o médico honrado, sincero e consciente entende que a continuação da gravidez põe em perigo a vida da gestante. Devido às suas inúmeras implicações, o aborto delituoso é um dos grandes fornecedores das moléstias de etiologia obscura e das obsessões catalogáveis na patologia da mente, que ocupam vastos departamentos de hospitais e prisões da Terra. Diz Joanna de Ângelis que a mulher que o promove ou que venha a coonestar semelhante delito é constrangida, por leis irrevogáveis, a sofrer alterações deprimentes no centro genésico de sua alma, predispondo-se a dolorosas enfermidades, como a metrite, o vaginismo, a metralgia, o enfarte uterino ou a tumoração cancerosa, flagelos esses com os quais, muita vez, desencarna, demandando o Além para responder perante a Justiça divina pelo crime praticado.

Nota da autora do blog: Temos que ter o cuidado com o julgamento, pois esse é um assunto delicado, sabemos que as mulheres que por ventura tenham chegado a esse extremo certamente vão carregar consigo a dor e o sofrimento pelo ato cometido, e mais, temos aí que incluir como parceiros desse ato de desespero o pai da criança, todos os que não apoiaram essa mãe, o médico, enfermeiros, enfim, todos que participaram têm sua cota de responsabilidade, pois que muitas vezes as mulheres que chegam a fazer um aborto o fazem por absoluta solidão, despreparo, desemparo e até apoio de quem deveria ajudar de forma mais humanitária. E não nos cabe julgar nem essa como nenhuma atitude humana, deixemos para Deus em sua infinita bondade fazer o melhor pelo próximo, cabendo a nós apenas ajudar e oferecer o ombro e o amor que devemos devotar ao nosso irmão de caminhada. 

Fonte: http://www.oconsolador.com.br/linkfixo/estudosespiritas/oespiritismoresponde/oespiritismoresponde.pdf

Nenhum comentário: